Dica das Designers: Escolhendo Cortinas

Além de terem a função de controlar a luminosidade, cortinas têm um papel significativo na decoração do ambiente. Apesar disso, muitas pessoas têm dificuldade em escolher o melhor modelo.

Para ajudá-los nessa tarefa aí vão algumas dicas:

1 - NUNCA use persianas verticais, nem mesmo em espaços corporativos. Substitua-as por modelos horizontais, tipo rolô ou painéis.

2 - Para controle de luminosidade em Varandas envidraçadas, SEMPRE use persianas ou cortinas do tipo rolô.

3 - Cortinas tipo corta-luz ou blackout vedam a luminosidade, auxiliam no isolamento acústico e térmico e protegem não apenas o mobiliário e estofados, mas o tecido da própria cortina. Já existem no mercado tecidos com blackout. Se for optar por um desses, lembre-se que não haverá meio termo no controle da luminosidade.

Para controle da luminosidade, você também pode optar por instalar persianas sob as cortinas, o resultado é excelente e foge do lugar comum.


4 - Cortinas podem ser fixas por meio de varões ou trilhos suíços. Ambos os sistemas podem comportar mais de uma cortina e resultar em ambientes elegantes, mas os trilhos admitem uma maior variedade de modelos de pregas e as cortinas tendem a correr melhor nesse sistema. Por outro lado, para um visual bonito, os trilhos suíços devem ser embutidos em cortineiros no gesso.

5 - Quanto mais pregueada a cortina, mais clássico será o resultado. Painéis e alças criam ambientes mais descontraídos. Blackouts não devem ter pregas ou sobras em excesso.

Cuidado na hora de escolher o tipo de sustentação. Tecidos pesados não correm bem quando sustentados por alças, o mesmo acontece com blackouts.

Confira os modelos mais comuns para cortinas: Reta (com Alça), Prega Inglesa (com argola), Prega Macho (com alça), Prega Americana (com argola), Onda (com argola) e Reta com Ilhós.




Observem a diferença entre argola e ilhós nas duas últimas imagens.

6 - Em ambientes com muita luminosidade natural, opte por tecidos mais encorpados, como linho natural ou sintético, algodão, gorgurão, jacquard, veludo, sedas rústicas e mistas, não dispensando o auxílio de uma cortina blackout.


7 - Ambientes em que não há tanta incidência de luz natural ou favorecidos por vistas que não mereçam ser bloqueadas pedem cortinas de tecidos mais leves, como voil, gaze de linho, crepe, chiffon, organza e sedas.

8 - Não existe nenhum impedimento em utilizar cortinas estampadas ou de cores vibrantes, mas essa é uma escolha arriscada que não deve ser feita se você tiver dúvidas. Para um resultado discreto, opte por cortinas no mesmo tom das paredes.

9 - O comprimento ideal para qualquer cortina é rente ao chão. Arrastando entre 2 a 4cm para um resultado mais elegante. Mantenha o blackout sempre no nível do chão. Se sua cortina não puder ir até o chão em virtude de algum móvel ou obstáculo, opte por modelos tipo rolô ou romano que devem ficar 10cm abaixo da janela.



Em modelos sustentados por varão, prenda-o à parede na metade da altura entre a janela e o teto. 

10 - Antes de comprar o tecido para confecção da cortina, consulte um especialista para determinar a quantidade de pano necessária. Apesar de existirem fórmulas disponíveis na internet, elas não levam em conta as necessidades particulares de cada caso, como pregas escolhidas, altura de barrado, etc. 

11 - Para adequada manutenção de suas cortinas, passe aspirador uma vez por semana e leva-as de acordo com o local em que estão. Cortinas instaladas em locais com muita poluição e poeira pedem lavagens semestrais. Se não for o caso, lavá-las uma vez por ano é suficiente. 
Se for lavar suas cortinas em casa não use amaciente pois pode ocasionar manchas e não centrifugue-as. A peça deve secar já no trilho ou varão.
Cortinas de veludo devem ser limpas com pano de camurça ligeiramente umedecido com água morna.
Persianas e blackouts devem ser limpos com esponja e sabão neutro no próprio local.

A impermeabilização do tecido pode comprometer o caimento da cortina, portanto somente é aconselhável se a trama do tecido for tão grossa que dificulte ou impossibilite a lavagem. 

Cuidado! Fibras naturais podem encolher. Se optar por esse tipo de material, antes de mandar confeccionar a cortina verifique se o tecido é pré-encolhido. No caso de dúvida, lave-o antes. Se essa dica chegou tarde demais, opte pela lavagem a seco.



* Créditos de Imagem: Potterybarn, Studyo Decor, Espaço Interiores Arq, Casa Bonita Cortinas e Decorações, Casa Cláudia, Decorando a la Francesa.

Comentários

Alexandra Melo disse…
Parabéns pelo vosso site, tem ideias lindas, por acaso andava, mesmo a procura de fotos de cortinados para colocar no meu blog mas não tenho encontrado, realmente aqui neste espaço têm de tudo o que gosto.
Alexandra Melo Portugal
Design Thinkers disse…
Olá Alexandra,
Obrigada por visitar nosso blog, fazemos todos os nossos posts com muito carinho e sabemos bem o enorme trabalho de pesquisa envolvido nesse processo. Que bom que podemos lhe ajudar.
Continue nos acompanhando!

Postagens mais visitadas