Querida, integrei a cozinha! 5 Dicas para ter sucesso na integração

Uma solução arquitetônica que apoiamos e adoramos é a cozinha americana! Uma cozinha aberta, sem limitações de paredes, não apenas ajuda muito a ampliar a sensação de espaço - e, portanto, é uma ótima pedida para apartamentos pequenos - mas também traz aquele aconchego da cozinha para o corpo da casa.

Além disso, qualquer um que já tenha passado um tempo cozinhando ou lavando uma pilha de louça sabe como é terrível ficar isolado no cômodo, enquanto o resto da família ou dos convidados se divertem na sala.

A tendência de integrar sala e cozinha é tão grande que muitos dos novos empreendimentos já vem com essa opção na planta, o que nos deixa super felizes!

A solução também é perfeita para quem foi criado tomando café e batendo papo ao redor da mesa da cozinha! Já que as novas cozinhas geralmente não permitem a colocação de uma mesa no cômodo, a integração, seja total ou parcial (por meio de meias paredes ou passa pratos) permite posicionar a mesa de jantar da família bem junto do cômodo, dando aquela sensação de voltar à cozinha da vovó!


Mas integrar a cozinha é muito mais do que simplesmente derrubar uma parede e exige planejamento e atenção aos detalhes. Confira as nossas dicas!

1 - Cozinha = Área Social
Quando se tem uma cozinha americana, é natural uma maior preocupação com os revestimentos e materiais utilizados, bem como com o layout de armários. A partir de agora, sua cozinha fará parte da área social de sua casa, por isso, é importante haver, primeiro, coerência com o resto da decoração (paletas de cores semelhantes ou harmônicas, estilos idênticos ou complementares, etc) e, segundo, uma decoração que deixe o espaço com menos cara de cozinha.

Para isso:
  • Evite lotar todas as paredes com armários fechados e pesados. Misture estantes ou portas de vidros.
  • Revestimentos de cozinha decorativos e diferenciados. Aposte em cimento queimado, tijolinho, ladrilho hidráulico, porcelanato que imita madeira, azulejos estampados ou subway tiles (não sabe o que são? Clique aqui para conferir o post que fizemos sobre essas belezinhas). Também vale pintar as paredes, inclusive com tinta lousa!
   
  • Fique longe dos puxadores de armários. Sabe aquele puxador em barra de inox? Pois é! Ele grita "armário de cozinha"! Se possível, elimine completamento o puxador da sua cozinha e invista em portas com abertura por pressão, ou puxadores cava ou em furo.
  • "Acessorize"! Como sua cozinha está aberta e integrada à sua sala, dedique a ela a mesma atenção no que toca a acessórios. Quadros, plantas, bonitas peças de decoração, utensílios e eletroportáteis de culinária devem preencher o local.
   

2 - Delimitação do Espaço
Aqui, você precisa fazer uma escolha: delimitar ou não o espaço da cozinha? Para muitas pessoas, a integração, e trazer a cozinha para a sala é uma prioridade. Nesse caso, aposte em um piso único nos ambientes, utilize as mesas cores nas paredes e teto e seja fiel ao estilo e materiais.

Se, por outro lado, você deseja a integração, mas prefere que fique mais claro qual a área da cozinha, a gente entende! Quem costuma preferir a delimitação tem preferência por revestimentos mais fáceis de limpar, ou tem idéias bem claras a respeito de como deve ser uma cozinha.

Algumas formas de delimitar visualmente o espaço da cozinha integrada são:
  • Pisos diferentes.
  • Blocos de cores na pintura de teto e paredes
  • Balcões divisores

3 - Cozinha Americana ainda é Área Molhada
Apesar de estar aparente, de fazer parte da área social, de exigir um acabamento mais delicado e nobre, uma cozinha sempre será uma cozinha!

Isso significa que você deve pensar em revestimentos que sejam lindos, mas também práticos e duráveis, além de próprios para áreas molhadas.

Nem pensar em utilizar papéis de parede na cozinha, ok? Fique longe do mármore que é poroso, mancha e absorve gordura e da maioria das madeiras naturais também. Lembre-se sempre que revestimentos naturais exigem cuidados e manutenção constante, além de hábitos de vida que não envolvam muita água ou gordura na cozinha.


Eleja as imitações! Porcelanatos que imitam madeiras, mármores, tecidos e estampas são seus melhores amigos na hora de decorar a cozinha! A indústria evoluiu demais e com certeza você encontrará um material adequado para o ambiente e que também será lindo e prático.

Existem no mercado diversas resinas impermeabilizantes e oleofugantes que podem dar aquele reforço na hora de proteger o revestimento escolhido, aumentando sua vida útil e diminuindo seu stress na hora da limpeza. Vale se informar na hora da compra!

4 - Plano de Contingência
É fundamental ter um plano para exaustão de fumaça e gordura quando se tem uma cozinha integrada ao restante da casa. Negligenciar esse ponto é correr o risco de ter a casa inteira cheirando a fritura sempre que você fizer uma comidinha mais gordurosa.

O item mais fundamental da sua cozinha integrada, portanto, é a coifa! E não é qualquer coifa, não! Ela deve ter sucção compatível com a área do local, tamanho adequado ao número de bocas do fogão, filtro de carvão e, preferencialmente ter exaustão para o lado externo.

Se mesmo assim você ainda ficar inseguro, que tal garantir sua tranquilidade colocando uma divisória móvel entre a cozinha e a sala? No dia a dia ela pode ficar recolhida, sendo fechada apenas quando for necessário.



Essa é uma idéia super bacana, que impedirá que os odores, fumaça e gordura da cozinha se espalhem pelo resto da casa, e ainda pode dar aquela cobertura em eventuais baguncinhas...

5 - Escolha a mesa com atenção
Integrar a cozinha à sala muitas vezes significa incorporar a área de jantar no próprio espaço do preparo. Você pode fazer isso de duas formas: estendendo a mesa de jantar a partir de uma ilha central (que não precisa ser grande) ou encostando-a à bancada divisória cozinha-sala.

Pessoalmente, a gente ama a idéia de estender a mesa na posição de um balcão, criando um meio termo entre as duas opções. Nesse caso você não precisa abrir mão da bancada-divisória, mas a própria mesa de jantar acaba fazendo parte dela.


Seja como for, pense com cuidado como fará a transição entre a ilha/balcão e a mesa! Isso porque uma mesa de jantar padrão mede 75 centímetros de altura, enquanto que a altura de uma ilha ou bancada de cozinha é 95 cm.

A opção mais simples é deixar um desnível entre elas. Essa solução é perfeita para quem busca conforto, já que poderá utilizar cadeiras comuns na mesa de jantar.


Se você preferir, pode nivelar sua mesa na altura do balcão, criando uma superfície contínua. O resultado fica lindíssimo, mas lembre-se que será necessário colocar banquetas mais altas como assentos. Os modelos costumam ser mais desconfortáveis para quem pretende passar horas desfrutando de um bom papo e boa refeição, além de ser inacessíveis a crianças e pessoas com mobilidade reduzida. Por isso, pense bem antes de empregar essa idéia.

  

Existe ainda a possibilidade de uma bancada de refeições, que geralmente contorna o balcão ou a ilha e é ainda mais alto que eles. Sua altura final pode ser de até 1.10 metro, o equivalente a um balcão de bar. Novamente, apesar da idéia ser linda, pense bem na acessibilidade, ok?


Se observar essas 5 dicas, com certeza sua integração será um sucesso, e você aproveitará muito mais as vantagens de ter sua cozinha assimilada à sala!

*Créditos de Imagem: Casa e Jardim, The Design Files, Casa Claudia, Casa Casada, Casa.com, Contemporist, Roberto Minotto, Casa.com, Casa e Jardim, Outlook Live, Viver em Casa, Casa Vogue, Casa Vogue, Casa e Jardim, Architectural Digest, Casa.com, The Ultra Linx, Casa Vogue, Beta Arquitetura, Decoist, Constance Zahn, El Mueble, Cote Maison, Aurelie Magnet Laurent Velon, Estilo y Deco e Nane Faria.

Comentários

Postagens mais visitadas